sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

Jornais ainda têm mais confiança do leitor, diz governo

Apenas 7% dos brasileiros leem jornais todos os dias, mas o veículo de comunicação continua sendo o mais confiável na avaliação dos leitores. A conclusão está na Pesquisa Brasileira de Mídia 2015, divulgada hoje (19) pela Secretaria de Comunicação da Presidência da República (Secom).

De acordo com o levantamento, 76% dos brasileiros afirmam não ter o hábito de ler jornais, 21% leem pelo menos um dia por semana e somente 7% são leitores diários desse tipo de mídia.
Na avaliação do nível de confiança, os jornais lideram a pesquisa com 58% de leitores que confiam sempre ou muitas vezes nas informações veiculadas. O percentual é maior que o da TV (54%), o do rádio (52%), o das revistas (44%) e o das notícias de sites (30%).

A proporção de leitores de jornais é maior entre os homens, com maior renda e escolaridade e em municípios mais populosos.

Entre os leitores de jornais, 84% consomem o veículo em busca de informações. Os cadernos mais lidos são os de notícias locais/cidades/cotidiano (28%), esportes (24%), policial (16%), política brasileira (14%), classificados (12%), cultura e lazer (10%) e economia brasileira (10%).

Apesar da expansão do acesso à internet e das teorias sobre a substituição dos veículos impressos pelos sites de notícias, a pesquisa constatou que 79% dos leitores de jornais manuseiam o formato impresso, ante 10% que preferem a edição online e 4% que usam as duas plataformas. 
Os números são semelhantes aos registrados entre os leitores de revistas: 70% leem a versão impressa, 12% preferem a versão online e 4% são leitores de ambos os formatos.

De acordo com o levantamento da Secom, as revistas são o veículo de comunicação com menor presença no dia a dia dos brasileiros. Os dados de frequência de uso revelaram que 85% não costumam ler revistas e somente 13% leem uma vez por semana ou mais.

A escolha desse meio de comunicação é mais comum entre mulheres 16% leem pelo menos uma vez por semana, ante 11% de homens que leem com a mesma frequência. A variação é expressiva quando a análise é feita com base na renda: entre os que têm renda familiar mensal até um salário-mínimo, a proporção de leitores de revistas é 6%. Já entre os famílias que recebem mais de cinco salários-mínimos, a proporção sobe para 29%.

Jornais e revistas têm outra característica em comum em relação aos hábitos dos leitores: nos dois veículos, o grau de atenção durante a leitura é alto. De acordo com a pesquisa, 50% dos leitores de jornais e 46% dos de revistas não fazem outra atividade enquanto estão concentrados na leitura.
O levantamento da Secom ouviu 18 mil pessoas e traçou um perfil do consumo de informações nas diferentes mídias. A amostra foi definida com base em dados do Censo de 2010 e da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad) de 2011. A coleta de dados e o processamento das informações foram feitos pelo Ibope Inteligência.

Fonte:           Agência Brasil

quinta-feira, 27 de novembro de 2014

Parlamento Europeu aprova resolução para dividir a #Google



Parlamento Europeu adotou uma resolução não vinculativa que pede o desmembramento da gigante americana Google.
A resolução, um texto acima de tudo simbólico, "apela à Comissão que crie propostas afim de separe a parte de busca dos outros serviços comerciais da empresa

O Parlamento Europeu adota todos os anos dezenas de resoluções para levar certos assuntos à atenção da Comissão Europeia, que detém o monopólio da iniciativa legislativa na Europa. Mas esta, intitulada "Resolução para a defesa dos direitos dos consumidores no mercado digital", atraiu a atenção pois está diretamente ligada - sem o referenciar diretamente - ao gigante da Internet.
"Nós queremos dar um sinal forte à Comissão Europeia mas também às empresas americanas como a Google, e, enfim, ao cidadão", explicou no início da semana o deputado belga Marc Tarabella.

porta-voz da missão dos Estados Unidos junto da União Europeia afirmou que respeita o processo de construção das regras de concorrência na União Europeia. "Não queremos ter preconceito acerca do assunto que estão a decorrer, mas é importante que a identificação de entraves à concorrência e das soluções possíveis seja fundada em conclusões objetivas e imparciais e não seja politizada".

A Comissão abriu um inquérito em novembro de 2010 que visava a Google por abuso de posição dominante. O gigante americano é acusado de colocar primeiro nas suas páginas os seus próprios serviços especializados, em detrimento dos mecanismos de busca dos concorrentes.

Fonte: Diário de Notícias (Portugal) 

O #Twitter está observando como você usa o seu telefone. A privacidade cada vez mais difícil

O Twitter atualizou os aplicativos utilizados em dispositivos móveis para monitorar os softwares que os usuários têm instalado, mas decidiu oferecer uma maneira de bloqueio à mudança.

Como em todos os casos que provocam a desconfiança sobre a bisbilhotagem na Internet, o pássaro azul das redes sociais anunciou que as informações serão usadas para "construir uma experiência mais personalizada no Twitter". 
 
Entre as melhorias, promete o Twiter, está a opção para a escolha de"quem seguir" , acrescentando tweets extra ou contas para timelines dos usuários com base em seus interesses, bem como anúncios mais relevantes.

O Twitter garante que os usuários que estão sendo rastreados será alertado através de uma notificação.  O bloqueio pode ser ativado no iOS e no Android nas configurações. 
 
A capacidade de controlar aplicativos que estão rodando não é exclusiva do Twitter. Tanto no Iphone (iOS)  quanto nos aparelhos que rodam o Android vários aplicativos podem fazer o mesmo, entre eles o Facebook.

Texto Original: The Independent

quinta-feira, 13 de novembro de 2014

TI convencional impede expansão da Internet das Coisas, revela estudo

Estudo da Cisco mostra como o Fast IT estimula a inovação, reduz a complexidade e aumenta a velocidade com extrema segurança.

Uma nova pesquisa divulgada, na última semana, pela Cisco revela que um investimento para um modelo de TI ágil, o Fast IT, reduz os custos e estimula inovação mais rápida, com um benefício anual de 20% a 25% do custo total de propriedade (TCO, Total Cost of Ownership). 

O estudo também constatou que infraestruturas de TI existentes estão limitando a capacidade de execução e de inovação em muitas empresas. Fast IT é o modelo operacional de TI para a era da Internet de Todas as Coisas (Internet of Everything, IoE).
Neste período de transição, o estudo salienta que as organizações de TI precisam de uma reforma fundamental para garantir que recebam os dividendos oferecidos pela nova economia da IoE. O papel da TI tradicional, de simplesmente "manter as luzes acesas", garantindo o funcionamento do sistema e mantendo a infraestrutura existente, não é mais viável. 

A área de TI deve se atualizar em gestão de custos e agilidade. Se gerido da forma correta, as organizações de TI podem se tornar facilitadores de uma inovação pioneira, capaz de articular com a empresa e responder a um mundo dinâmico, de maior complexidade.

O Fast IT é o que o CIO precisa para conduzir uma transformação dos negócios. É uma abordagem de TI que, em geral, reduz a complexidade e aumenta a velocidade com extrema segurança. 

O Fast IT transforma e simplifica as operações de TI, tornando-as mais inteligentes e seguras. O modelo abrange as principais transições da tecnologia atual incluindo nuvem, mobilidade e segurança, análise de dados, novos aplicativos, bem como a Internet das Coisas (Internet of Things, IoT). Esse modelo também é fundamentalmente integrado às mudanças organizacionais necessárias para atender às exigências das diferentes áreas da empresa, tais como Vendas, Marketing, RH, Financeiro, Pesquisa e Desenvolvimento, entre outros.

O esforço da Cisco para realizar uma pesquisa multifacetada resultou em um diagnóstico global e abrangente sobre os impactos da Internet de Todas as Coisas (IoE) na área de TI. Além disso, explorou até onde os recursos para o Fast IT tem sido considerados, tanto do ponto de vista estratégico, como de arquitetura.

Foram entrevistados mais de 1.400 líderes de TI em cargos sênior, de uma mostra representativa de diversos mercados verticais no Brasil, Alemanha, Índia, Reino Unido e nos Estados Unidos. Complementando essa pesquisa quantitativa, um programa de entrevistas mais aprofundadas foi realizado com formadores de opinião da área de TI - analistas líderes da indústria, autores, acadêmicos e executivos de TI, além dos próprios profissionais -  sobre como a infraestrutura, a economia e as dinâmicas organizacionais da Tecnologia da Informação estão mudando.

Os 10 pontos identificados pelo estudo:

1. A velha maneira de fazer as coisas não funciona mais
2. A relação da área de TI com a empresa está passando por uma mudança        radical
3. Os modelos tradicionais de infraestrutura de TI inibem a transformação
4. O modelo Fast IT representa uma mudança de paradigma na infraestrutura de TI
5. A "Economia dos Aplicativos" está transformando fundamentalmente a função da área de TI
6. A nuvem fornece a plataforma
7.  Os líderes de TI devem alinhar a estratégia de dados às demandas do negócio em tempo real
8.  Não há perímetro de segurança
9.  Foco em pessoas, processos e gestão da mudança
10.  Gastar o dividendo da Internet de Todas as Coisas que está em jogo proporciona novos  recursos
 
Fonte:  IPNews (Escrito por Jackeline Carvalho)

Leia mais sobre a Internet das Coisas: 

Até a geladeira pode denunciar o dono na internet

Microsoft oferece Windows para Internet das Coisas à comunidade maker

 



quarta-feira, 12 de novembro de 2014

Google acredita que computadores vão roubar empregos em breve

Para o CEO do Google, Larry Page, as constantes evoluções no setor de inteligência artificial podem fazer com que, em pouco tempo, computadores e robôs ocupem vagas de emprego que existem hoje. Em entrevista ao Financial Times, o executivo falou sobre mudanças no conceito de trabalho . “Quando computadores são capazes de assumir postos de trabalho, a maneira como pensamos no trabalho é modificada. Não há maneira de contornar isso.”
-----larry-pageLarry Page falou da evolução tecnológica e das mudanças nas relações de emprego (Imagem: Reprodução) 
Leia Mais:
Futuro da profissão? Robôs já escrevem artigos, revela pesquisa
“Seja excelente ou você será substituído por um robô”, alerta colunista do TechRepublic

Ele acredita que as novas tecnologias serão capazes de tornar empresas e negócios 10 vezes mais eficientes, o que pode resultar numa queda do preço dos produtos e serviços. Page afirmou que projetos inovadores que podem fazer diferença na vida das pessoas estão travados porque as pessoas que trabalham neles não estão satisfeitas com as funções que desempenham.

“Quando projetos assim são pensados, não estão em busca de avanços técnicos fundamentais. Eles são conduzidos por pessoas ambiciosas que simplesmente trabalham neles”, explicou. “A ideia de que todos devem atuar servilmente fazendo algo ineficiente apenas para manterem seu trabalho simplesmente não faz sentido para mim. Essa não pode ser a resposta certa”, conclui Page.


Fonte: Portal Comunique-se

Futuro do Jornalismo? Robôs já escrevem artigos, revela pesquisa

Não vai demorar muito para que conteúdos jornalísticos sejam produzidos de maneira automática por robôs. É neste futuro que o professor de mídia e comunicações da Karlstad University (Suécia), Christer Clerwall, aposta. O profissional estuda e faz testes para que matérias sejam produzidas por meio de equipamentos eletrônicos. Segundo informações do site da Revista Galileu, Clerwall realizou recente pesquisa com 46 alunos da graduação de jornalismo, que avaliaram textos escritos por jornalistas e robôs. A ideia era analisar a qualidade do conteúdo.
---0-----0-----tecnologiaEstudioso aposta que, no futuro, robôs vão escrever reportagens
(Imagem: Divulgação)
A reportagem, sobre um jogo de futebol americano, passou por alguns ajustes no tamanho, para que ambos tivessem o mesmo comprimento. O professor afirmou que as alterações foram feitas sem que os textos perdessem o sentido. Alguns pontos, como confiável, agradável de ler, informativo e útil foram utilizados nas avaliações. O resultado apontou que o material criado pelo jornalista foi definido como bem escrito, claro e agradável. O produzido pelo software como descritivo, informativo, preciso, confiável e objetivo.


A avaliação final mostrou que, das 27 pessoas que responderam o questionário, 10 disseram acreditar que um jornalista era o autor da nota feita de maneira eletrônica. Dos 18 entrevistados que leram a matéria escrita por um profissional, 10 arriscaram ao dizer que tinha sido escrita por um programa. "Fiquei surpreso com os resultados, até certo ponto. Mesmo que eu soubesse que os textos automáticos eram realmente muito legíveis, pensei que eles seriam considerados piores do que os escritos por um jornalista", disse o professor.
O assunto foi tema também da coluna de Gilberto Dimenstein na CBN. Para ele, a notícia deixará muito jornalista "de cabelo em pé". "Graças às novas invenções da tecnologia da informação, muitos desses dados puramente descritivos talvez sejam feitos por uma máquina. O que vai ficar para nós seres humanos é fazer matérias com mais charme, emoção e reflexão". 



segunda-feira, 10 de novembro de 2014

Peladonas gaúchas


Em ‘Corra Pelada’, objetivo é fugir da polícia, nu, com a mão no bolso. FOTO: Reprodução
Porto Alegre. Cidade do chimarrão, do belo Guaíba… e das corredoras nuas. A cidade está famosa desde o fim de outubro, quando um fenômeno nasceu: mulheres esportistas que decidem andar ou correr debaixo de chuva ou sol, com boné, tênis, meias e alegria.
Uma delas, ex-lutadora de MMA, chegou a dizer que acha normal sair sem roupa por aí, já que… “Eu sou saudável, sou bonita”.
Quer coisa mais inspiradora? Pois o desenvolvedor Cristiano Bartel, de Porto Alegre, se deixou levar e criou um game para dispositivos móveis em homenagem às corredoras do Parcão – tradicional parque do município –, da Perimetral – avenida muito movimentada da cidade –, ou próximo ao Palácio Piratini.
“Agora a moda pegou! Seja uma corredora pelada profissional! Fuja do guarda desviando dos obstáculos! Jogo simples e viciante!”, propagandeia o único desenvolvedor da Auren Games, com 10 anos de experiência no mercaod.
“O jogo foi feito em 24 horas por uma pessoa só, então peguem leve com a avaliação do jogo”, defende-se logo de partida. Bartel conta que quis tirar proveito da “polêmica” e após uma madrugada de trabalho, nascia Corrida Pelada! POA.
O jogo para Android é simples. Você incorpora uma corredora loira peladona que deve fugir da polícia enquanto desvia de obstáculos como bancos, cavaletes e buracos. Se o policial te alcançar, é o fim da naturalidade.

domingo, 19 de outubro de 2014

Crime na INTERNET: intimidade compartilhada - sexting

O programa Caminhos da Reportagem da TV Brasil investigou o “sexting”, troca de imagens com conteúdo sexual pelas redes sociais, e a “pornografia de revanche”, divulgação de cenas íntimas de alguém na Internet, com fins de vingança.
Bruno processou o aplicativo "Secret", no qual teve uma foto íntima compartilhadaBruno processou o aplicativo "Secret", no qual teve uma foto íntima compartilhada 

Na maioria dos casos, as vítimas de crimes virtuais relacionados a sexo são mulheres. A jornalista do Paraná, Rose Leonel, teve a vida arrasada por um ex-namorado que publicou fotos dela nua em sites de prostituição. Hoje, ela trabalha para ajudar outras pessoas que passam por problemas parecidos. A goiana Francyelle dos Santos, 20 anos, ficou conhecida em todo o país quando um vídeo em que aparecia fazendo sexo foi propagado pela Internet. O que era uma tragédia para a  jovem virou piada nacional. Várias figuras públicas chegaram a posar para fotos parodiando um gesto de Francyelle.



“Ele foi me queimando viva” – diz Rose Leonel sobre o ex-namorado que publicou suas fotos íntimas em sites de prostituiçãoEle foi me queimando viva” – diz Rose Leonel sobre o ex-namorado que publicou suas fotos íntimas em sites de prostituição

Os prejuízos vão desde a perda do emprego à perda da própria vida. No interior do Rio Grande do Sul, aos 16 anos, Giana Laura se matou depois de saber que uma imagem de seus seios havia sido disseminada entre os amigos da escola por meio do aplicativo Whatsapp, para conversa de texto via smartphones.
O Caminhos da Reportagem entrevista psicólogas, feministas, delegados, juristas e especialistas em Internet, além de pessoas que trabalham para tornar a rede de computadores mais segura e saudável.

   Francyelle dos Santos teve um vídeo que viralizou na Internet.        Via TV BRASIL

quarta-feira, 15 de outubro de 2014

O que é a Deep Web?

É o conjunto de conteúdos da internet não acessível diretamente por sites de busca. Isso inclui, por exemplo, documentos hospedados dentro de sites que exigem login e senha. Sua origem e sua proposta original são legítimas. Afinal,nem todo material deve ser acessado por qualquer usuário. O problema é que, longe da vigilância pública, essa enorme área secreta (500 vezes maior que a web comum!) virou uma terra sem lei, repleta de atividades ilegais pavorosas.

ME-132-pag45-620x623


PERIGOS DAS PROFUNDEZAS
"Internet secreta"é muito utilizada por criminosos

Só para VIPs
Os endereços da Deep Web podem ser bem bizarros, como uma sucessão de letras e números seguida do sufixo .onion, em vez do tradicional .com. Originalmente, sua função é positiva: proteger conteúdos confidenciais, como os de governos, bancos, empresas, forças militares e universidades, acessíveis só com login, por exemplo

Ponto Cego
A Deep Web pode ficar dentro de sites comuns (na forma de arquivos e dados baixáveis) ou escondida em endereços excluídos de propósito dos mecanismos de busca. O Google nem faz ideia do que está lá: ele seria como um barco pesqueiro que só localiza suas presas na “superfície” do mar

Zona de Guerra
Nem pense em se aventurar nesses mares. Eles estão cheios de crackers (hackers com intenções criminais), que adoram “fisgar” usuários descuidados. Como não há filtros de segurança, eles facilmente conseguem, por exemplo, “zumbificar” o computador de um internauta (controlando-o a distância sem que o dono note) e roubar dados

Predadores Abissais
A parte podre tem até nome: Dark Web. Lá se encontra de tudo: lojas virtuais de drogas, pornografia infantil e conexões terroristas para venda de armas. Como tudo fica nas profundezas, não há jeito de governos e a polícia tirarem do ar. É como se os sites tivessem vida própria, sem donos, registros e documentação

Publicado pela Mundo Estranho
 
FONTE Sites The New York Times, Bright Planet, Brand Power e World Wide Web Size e livros The Deep Web: Surfacing Hidden Value, de Michael K. Bergman, Sampling the National Deep, de Denis Shestakov, e Downloading Hidden Web Content, de Jayant Madhavan e outros

quinta-feira, 18 de setembro de 2014

Como não se endividar com os jogos virtuais


Jogos de celulares, tablets e computadores podem deixar os usuários com dívidas e criar dependência. A informação é do SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito) que divulgou o alerta. Para atrair os desavisados, os jogos permitem a utilização de recursos limitados e, posteriormente, passam a exigir a compra de créditos para continuar novas fases.

Imagem da Cartilha

Pensando nisso, o SPC Brasil e o portal de educação financeira Meu Bolso Feliz elaborou algumas dicas para ajudar os usuários a se protegerem sem desistir da diversão enquanto esperam o metrô, o ônibus ou o atendimento no consultório médico. 
 

Segundo os especialistas, existem jogos e aplicativos, mesmo os considerados gratuitos, que mantêm os consumidores envolvidos, mas cujo objetivo é faturar. Assim, esses aplicativos, informa o SPC Brasil, têm níveis com um grande grau de dificuldade e que só pagando o jogador consegue novas vidas ou passar de fase. Nestes casos, a melhor coisa é evitar. 
 

Outra dica é não permitir que o mundo virtual se sobreponha à realidade. De tanto jogar, você passa a considerar frutas, doces e cristais do game como algo valioso para o cumprimento de tarefas. Então, quando cobram um determinado valor por um conjunto desses apetrechos para ultrapassar uma fase complicada, você enxerga a quantia como irrisória pela conquista que será alcançada. Lembre-se: qualquer que seja a oferta de um jogo, ela nunca é barata o suficiente para ser paga com dinheiro de verdade.


A terceira dica é ficar atento à facilidade de compra online. O educador financeiro do site Meu Bolso Feliz, José Vignoli, alerta: "É preciso tomar cuidado com as informações do cartão de crédito, pois muitas vezes, ficam salvas na internet". Dessa maneira, com apenas um clique, você faz mais uma compra. Essa ação é perigosa e, na maior dos casos, faz o usuário gastar mais e sem perceber. Muitas vezes, os gastos são cobrados em dólar e ainda uncluem o IOF, ou seja, você vai gastar muito mais do que imagina.


Para quem tem Iphone, se um jogo ou aplicativo pedir sua senha da Apple, redobre os cuidados. Em geral, digitar essa senha costuma autorizar o pagamento de alguma compra. E, claro, crie um hábito: verifique sempre o saldo bancário antes de gastar com jogos e se pergunte se pode - e precisa - colocar seu dinheiro nisso.


Ligue o alerta em relação às reais intenções dos jogos. Muitos, por serem gratuitos, trazem uma falsa sensação de que não há mau nenhum em jogar. Assim, eles usam a necessidade do usuário de passar de fase e conquistar vidas para começar, aos poucos, a ganhar dinheiro com isso.

Quando um grupo de pessoas costuma se divertir com os mesmos jogos e aplicativos, pode surgir competição entre os integrantes. Esse comportamento leva muita gente a colocar mais dinheiro para completar as fases e ter recursos mais rapidamente do que os outros. Assim, claro, o jogador poderá se exibir na rodinha de amigos. Será mesmo que essa brincadeira ficará tão divertida quando a contar chegar? Pense nisso!


Para evitar a tentação, procure pela opção 'Ajustes' de seu celular e desabilite a função 'Compras em Aplicativos' ou algo que seja similar a isso. Dessa forma, você precisará de tempo para desabilitar essa função antes de fazer uma compra. Use esse período para refletir se vale mesmo à pena torrar seu dinheiro com isso.



"Usava todo o dinheiro que tinha para jogar"



Infelizmente, o estudante de administração Douglas Markus não teve acesso às lições acima antes de se endividar -e se viciar - em brincadeiras virtuais. Aos 14 anos nasceu o hábito de gastar com jogos durante uma competição entre amigos em Lan Houses (loja que dispunha de computadores para acesso à internet mediante pagamento pelo tempo utilizado). Em pouco tempo, ele já torrava toda a mesada nessa atividade. "Eram mais de R$100 por mês. Não importava mais qual era o jogo, eu precisava estar conectado e investia nisso. Eu já não saía mais com meus amigos e nem com a minha namorada porque usava todo o dinheiro que tinha para jogar", conta.



Por sorte, o rapaz não se endividou. Mas Douglas reconheceu que precisava de ajuda e tomou uma medida radical: "Exclui todos os jogos do celular, pedi para o meu pai tirar a TV do meu quarto, cortar a internet e decidi procurar um psicólogo. Hoje administro muito melhor o que ganho e não sinto falta da minha antiga vida".



Além da dívida, o vício



Uma pesquisa feita pela empresa norte-americana Think Gaming, revelou que são gastos, por dia, quase 900 mil dólares (quase 2 milhões de Reais) em games gratuitos. Esse dado ressalta o que a psicóloga e terapeuta familiar, Cássia Rodrigues explica: "Os jogos viciam porque ativam no cérebro uma substância química chamada dopamina, que da a sensação de prazer". O primeiro passo para se livrar disso? "É necessário entender porque ela se apegou àquela prática e como passou a ocupar tanto espaço na sua vida. Só assim, e com muita força de vontade, é possível se desconectar", ensina a profissional.



Para não cair nessa armadilha, observe suas atitudes no dia a dia e na maneira como encara esse tipo de diversão. Do vício para o endividamento é um salto rápido. Algumas atitudes mostram quando alguém ultrapassou o limite da curtição virtual saudável. Descubra quais são elas:



-  O game se transforma na atividade mais importante da vida da pessoa.

- Jogar torna-se uma necessidade.

- A vida social se torna desinteressante comparada ao prazer proporcionado pelos games.

- No caso dos adolescentes, o rendimento escolar começa a cair.

- A pessoa gasta dinheiro para vencer o jogo ou ganhar vidas.

- Arrisca sem se importar com a possibilidade de ficar inadimplente, ou seja, não se preocupa se vai gastar mais do que pode.

-  "Só mais essa vez não vai fazer diferença", é o pensamento de quem não consegue parar de jogar.



Acesse mais dicas em http://meubolsofeliz.com.br/




Fonte: SPC Brasil


quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Eleições 2014: Pesquise e descubra mais sobre os candidatos com o #Google

A tecnologia transformou as eleições em algo que as pessoas compartilham, discutem e moldam. Candidatos usam a internet para difundir suas mensagens e isso ajuda a aperfeiçoar o debate público em torno de assuntos importantes. Eleitores estão constantemente online para aprender mais sobre os candidatos e para expressar suas visões políticas em blogs, redes sociais e muitas outras mídias digitais. Hoje, há muitas oportunidades de usar a tecnologia para permitir que cidadãos se conectem e se envolvam com as eleições por meio de diferentes plataformas.

Acreditamos que tornar informações e notícias mais acessíveis aos usuários contribui para o debate político. Por isso, após experiências de sucesso na Índia e Alemanha, lançamos hoje o site Google Eleições 2014 no Brasil. Fizemos parcerias com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), a ONG Transparência Brasil e mais de 30 veículos de imprensa para criar uma plataforma neutra que ajudará você a se manter informado durante as eleições deste ano.




O Google Eleições inclui os seguintes recursos:

Conheça seus candidatos
Está em dúvida em quem votar para Presidente ou Governador? O site tem uma área para ajudar você a encontrar informações sobre os candidatos. Para investigar a base de dados, é possível usar filtros, como cargo em disputa, Estado, partido e ordem alfabética, pesquisar por nome ou somente clicar no mapa. Depois de selecionar um candidato, você verá os dados oficiais fornecidos pelo TSE, como nome ou apelido político, idade, patrimônio declarado, entre outros. Caso queira saber mais, basta clicar no link da Transparência Brasil que remeterá ao perfil do político no site da ONG.

Veja o que eles estão falando
Assista a entrevistas com os candidatos e outros vídeos produzidos pelo Estadão, um de nossos parceiros de mídia.

Acompanhe o noticiário
A seção Mídia traz o perfil de mais de 30 parceiros, como Brasil Post, Veja.com, BBC Brasil, O Globo, Terra, Diário de S. Paulo, entre vários outros. Ao clicar em um perfil, é possível ler as notícias sobre as eleições produzidas pelo parceiro e ver links para a páginas do Google+, YouTube e do site oficial do veículo.

Não deixe passar nada
Quer ficar sabendo o que os nossos parceiros de mídia estão fazendo? Fique ligado em nossa linha do tempo de Eventos, que é constantemente atualizada com agendas de Hangouts e transmissões ao vivo no YouTube.

Informe-se com rapidez
A seção de Notícias traz as últimas novidades sobre as eleições selecionadas dos feeds dos nossos parceiros na plataforma Google News.

Nosso objetivo foi colocar as tecnologias do Google à disposição dos eleitores para estimular uma participação pautada na informação. Esperamos que a plataforma Google Eleições te ajude a pesquisar, descobrir mais e votar conscientemente.

Via Google

Senhas: Como evitar o roubo

Uma das tristes realidades da internet hoje é um fenômeno conhecido como “vazamentos de credenciais”, ou seja, a divulgação de listas com nomes de usuários e/ou suas senhas. Estamos sempre monitorando esses vazamentos, para que consigamos responder depressa e proteger nossos usuários.

Nesta semana, identificamos diversas listas que afirmavam conter credenciais do Google e de outros provedores.

Descobrimos que menos de 2% das combinação de nomes de usuários e senhas pode ter dado certo e que nossos sistemas automáticos de prevenção a hackers teriam bloqueado muitas delas. Nós defendemos as contas atingidas, e pedimos àqueles usuários que trocassem suas senhas.

É importante destacar que neste caso e em outros a coleta dos nomes de usuários e senhas não resultou de uma falha nos sistemas do Google. Com frequência, essas credenciais são obtidas por meio de uma combinação de outras fontes.

Por exemplo, se você usar as mesmas credenciais em vários sites, e o sistema de um deles for invadido, as informações obtidas poderão ser usadas para acessar os demais. Os hackers também podem fazer uso de softwares maliciosos (os chamados malwares) ou de phishing (técnicas que incluem, por exemplo, a criação de sites falsos ao qual o usuário, desavisado, entrega seus dados).

Trabalhamos constantemente para manter nossas contas livres de phishing, malware e spam. Por exemplo, se vemos uma atividade anormal em uma conta, barramos tentativas de acesso a partir de locais e equipamentos desconhecidos. No Gmail, você pode controlar essas tentativas.

E mais algumas dicas: assegure-se de que você usa uma senha forte e exclusiva para o Google. Mantenha atualizadas as suas opções de recuperação de senha, para que possamos entrar em contato com você por telefone ou email, se você perder o acesso à sua própria conta.  E considere habilitar a verificação em duas etapas, que dá a você uma camada extra de segurança.

Neste site, você encontra uma lista dos vários controles de segurança que estão à sua disposição.

Postado por Borbala Benko, Elie Bursztein, Tadek Pietraszek e Mark Risher, do time de spam e abuso do Google

sábado, 6 de setembro de 2014

Alibaba pode fazer maior IPO da história


Chinesa quer levantar até US$ 24,3 bilhões em oferta pública inicial de ações; empresa pode chegar a valer US$ 160 bi



A gigante chinesa da internet Alibaba pode realizar a maior abertura de capital da história. Segundo o Wall Street Journal, a empresa está se preparando para oferecer suas ações entre US$ 60 e US$ 66, a fim de levantar até US$ 24,3 bilhões em seu primeiro dia na bolsa de valores de Nova York.
A cotação dos papéis da empresa faz com que a Alibaba valha cerca de US$ 160 bilhões, sendo uma das maiores empresas do ramo de tecnologia no mundo hoje. Caso a previsão da empresa se realize, será o maior IPO (oferta pública inicial de ações, na sigla em inglês) da história dos EUA, superando os US$ 19,1 bilhões da Visa em 2008.
Entre os principais investidores da Alibaba, estão o conglomerado japonês SoftBankCorp, que deve reduzir suas ações para 32,4% (hoje têm 34,1% da empresa); o Yahoo, que detém atualmente 22,4% e pretende reduzir sua participação para 16,3%, e o fundador Jack Ma, que vai passar de 8,8% para 7,8% da empresa. A Alibaba deve fazer sua abertura de capital ainda este mês e deve ser listada na bolsa com a sigla BABA, adianta ainda o WSJ.
Turnê
A configuração do preço da ação da empresa será seguido de uma turnê de duas semanas pelo planeta com investidores na Ásia, Europa e nos EUA, a fim de encontrar e convencer grandes investidores a comprar ações do grupo.
O principal negócio da Alibaba hoje são seus sites de vendas, o Taobao e o Tmall, que unem compradores a vendedores, ao contrário do que acontece com serviços populares de varejo online, como a Amazon. Em 2013, os dois sites geraram transações na ordem de US$ 248 bilhões, o que supera os valores de Amazon e eBay combinados.

Fonte: Link



quarta-feira, 27 de agosto de 2014

Câmeras da #Polaroid são lançadas para concorrer com #GoPro

Está em pré-venda a Polaroid Cube, nova aposta da empresa americana no mercado fotográfico. Com apenas 3,5 centímetros, a câmera tira fotos de 6 megapixels, possui lente que alcança ângulo de 124 graus e captura vídeos em HD.

Cube tem apenas 3,5 centímetros (Imagem: Divulgação)Tudo indica que a marca desenvolveu a Cube para concorrer com a GoPro, que atualmente domina o nicho de câmeras compactas. A principal diferença das duas já é percebida no preço: enquanto o lançamento da Polaroid sai por US$ 100, a rival é vendida por cerca de US$300.

O site Photojojo, que faz a pré-venda do produto, entrega para o Brasil, porém com cobrança do valor do frete. De acordo com a previsão, o produto deve chegar aos compradores até o fim de outubro. Além disso, podem ser adquiridos separadamente acessórios da marca, que prometem facilitar a experiência do fotógrafo, como um kit à prova d’água, um tripé e um dispositivo para prender o equipamento ao guidão da bicicleta.

Confira o vídeo promocial lançado pela Polaroid:


 




segunda-feira, 18 de agosto de 2014

Site de encontros para adúlteros espionou conversas de participantes, diz Time

A revista "Time" revelou que o site Ashley Madison, especializado em promover encontros entre pessoas que desejam trair seus parceiros, monitorou conversas de seus membros para analisar as motivações das mulheres que traem.
A revelação partiu de um estudo apresentado no 109º encontro anual da Sociedade Americana de Sociologia, ocorrido neste sábado (16) em San Francisco.
O professor Eric Anderson, da Universidade de Winchester (Inglaterra), apresentou um estudo feito a partir dos dados coletados pelo site, revelando que mulheres infelizes no casamento e que ainda amam seus maridos preferem trair a pedir o divórcio.
Anderson, que trabalha no site como "cientista de dados-chefe", teve acesso a 4.000 conversas entre 100 mulheres e seus pretendentes a amante, durante um mês. "Eu monitorei suas conversas com os homens do website, sem elas saberem que eu monitoraria e analisaria suas conversas", disse ele, segundo a "Time". "Os homens também não sabiam". 



Ele cruzou os dados das conversas com características informadas pelas mulheres ao se cadastrarem no site. Segundo Anderson, os termos de uso com os quais todo usuário do site afirma concordar no cadastro informam que os dados podem ser usados para estudo. "Claro que todo mundo lê cuidadosamente os termos", ironiza a repórter Belinda Luscombe.
Há duas semanas, outro site de encontros, o OK Cupid, revelou que também fez experiências com seus usuários. No blog do site, eles informaram ter feito alterações no algoritmo para mostrar perfis diferentes do desejado para 698.005 de seus usuários.
Eles calculam a compatibilidade entre perfis, e informavam a pessoas com 30% de compatibilidade que tinham 90% de semelhança. Com isso, queriam ver se aumentava o volume de conversas entre essas pessoas, que poderiam levar a encontros felizes ou infelizes. O resultado: não aumentava tanto assim.
Christian Rudder, um dos fundadores do OK Cupid, explicou da seguinte maneira a experiência: "Se você usa a internet, está sujeito a centenas de experimentos a qualquer momento, em qualquer site".
Sites de notícias podem testar a popularidade de manchetes e fotos por perfil de leitor, em tempo real, para decidir qual tem mais chance de ser lido. Sites de comércio eletrônico passarão semanas enviando ofertas de eletrodomésticos a quem os pesquisou.
Ainda em julho, o Facebook revelou ter feito um experimento com o seu algoritmo para manipular o humor de alguns usuários a partir das informações que veem destacadas em suas linhas do tempo.
Em sites de encontros, porém, as consequências podem ser maiores, como disse Rudder à "Time", no final de julho.
"Quando fazemos uma mudança, ainda que pequena, isso pode mudar a escolha de com quem as pessoas conversam, com quem flertam, com quem saem, e com certeza em alguns casos também com quem casam", disse ele. 

Fonte: Folha Mundo